Júlio Isidro: "Não sei de nada, não vi nada, não ouvi nada"

Júlio Isidro em festa!

O apresentador da RTP comemora este ano 60 anos de carreira e na semana passada completou 75 anos de idade.

Hoje, sexta-feira dia 10 de janeiro, Júlio Isidro regressa à antena da RTP1 e não esconde a alegria.

“NÃO SE PODE FICAR JOVEM TODA A VIDA , MAS PODE-SE SER JOVIAL ATÉ AO FIM DOS DIAS.
Pareço um miúdo na véspera de Natal à espera dos presentes.
O meu vai acontecer na sexta feira no Canal 1 da RTP.
Repito, no canal 1 da RTP, aquele de onde brotei para 60 anos a comunicar.
Comunico portanto que na sexta feira às 22 horas , repito 22 horas, o chamado prime time para quem janta tarde, vou-me ver na televisão.
A RTP Memória em parceria com a Inovação produziram um documentário sobre estes meus últimos sessenta anos, digamos, os mais recentes!!!
Não sei de nada, não vi nada, não ouvi nada e vou-me sentar num sofá cá de casa a ver, viver e reviver o que tenho andado por cá…a fazer!
Estou quase na mesma como há 60 anos, não tão escanzelado, não tão castanho de cabelo, não tão ágil mas igualmente frágil.
Continuo a sonhar, a inventar e a fazer o possível.
O que a RTP 1 vai dar a ver de mim, será um retrato a preto e branco e a cores do mais antigo (velho?) profissional da televisão em Portugal.
60 anos é muito tempo, mas tão pouco para dar forma aos sonhos que ficarão por aí…sonhos.
Façam-me companhia na sexta feira para eu não me sentir muito só nas emoções.
Beijos e abraços para todos.

JULIO ISIDRO 60 anos de televisão – RTP 1 dia 10 de Janeiro às 22 horas.” – escreveu nas redes sociais o apresentador da RTP

RTP vai exibir Especial "Júlio Isidro – 60 Anos de Carreira"

Especial Júlio Isidro

É já na próxima sexta-feira. dia 10 de janeiro, que a RTP1 vai exibir, pelas 22h00, um programa especial sobre os 60 anos de carreira que Júlio Isidro comemora este ano.

“Documentário sobre os 60 anos de carreira de Júlio Isidro contados na primeira pessoa, e com depoimentos de José Cid, João David Nunes, Lídia Franco, António Manuel Ribeiro, Sandra Isidro, Mariana do Carmo, Francisca do Carmo, Inês do Carmo, Tânia Ribas de Oliveira e Herman José.”, anuncia a RTP no seu site

RTP renova contrato com Júlio Isidro

Júlio Isidro renova contrato

Vão ser mais 2 anos ligado ao canal público de televisão. Até 2021, Júlio Isidro continuará no ar.

Dia 16 de janeiro de 2020, Júlio Isidro fará 60 anos de carreira. Hoje, dia 5 de janeiro, completa 75 anos de vida.

“Renovei contrato de dois anos. Já é a terceira vez que tenho um vínculo destes, a prazo, o que é uma alegria”, disse em declarações à revista TV7 Dias

Agora foi a vez de Júlio Isidro ir à casa de Cristina Ferreira na SIC

Cristina recebeu o tio Julião

São muitas as caras da RTP a aceitarem ir ao programa de Cristina Ferreira na SIC.

Depois de Dina Aguiar, Serenella Andrade, José Pedro Vasconcelos, Herman José, entre outros, chegou a vez de Júlio Isidro sentar-se na sala mais vista e ouvida do país.

Nas redes sociais, o apresentador da RTP conta como foi ir hoje ao Programa da Cristina:

“EM CASA DA CRISTINA
Estive hoje de visita à Cristina Ferreira e gostei da forma como fui recebido.
A casa é um cenário de primeira água. A equipa trabalha como um relógio. A Cristina é um caso de popularidade por mérito próprio, porque conhece a sociedade em que vive e cria em cada momento pontos de contacto com o seu auditório.
Gostei do brilho dos seus olhos a ouvir-me, da sinceridade das suas expressões a meu respeito e da forma como ri e se comove em breves momentos.
Dona da casa, foi uma anfitriã perfeita.
E mais:neste tempo em que o acto de comunicar vive sob a ditadura do tempo vertiginoso, falámos meia hora.
Se um dia eu tiver uma casa televisiva convido a Cristina para retribuir a hospitalidade. “
– escreveu Júlio Isidro

VÍDEO:

https://sic.pt/Programas/o-programa-da-cristina/videos/2019-11-15-Julio-Isidro-relata-o-seu-primeiro-encontro-com-Antonio-Variacoes

FOTO: facebook de Júlio Isidro

Guilherme Leite lançou livro “O Grande Amor da Minha Morte” | COM VÍDEOS

Actor e Autor lançou um livro

Afastado das lides televisivas, o conhecido actor, autor e apresentador de TV lançou um livro, no qual promete muita acção da primeira até à última página.

Sinopse

 …e depois virando-se para o preso e colocando o isqueiro bem à frente da sua cara, gabou-se: Este foi-me oferecido por sua Excelência o Professor Salazar. Ouviu?! E esse sim. Esse é um verdadeiro português e nunca roubou nada a ninguém.

-A mim está-me a roubar a liberdade! É um ladrão!– respondeu prontamente o preso.

-O quê?!! Seu filho da puta?! O que é que você disse do Senhor Professor Salazar?? – E virando-se para o bruta montes – Ó Casimiro, manda-me este gajo pela janela fora!

O Casimiro abriu a janela, chegou-se ao preso, agarrou pelas pernas, levantou-o do chão, e mandou-o do 2º andar.

-Mas?!! Tu estás parvo, Casimiro? Tu foste mandar o gajo pela janela? Estamos no 2º andar, minha besta!

-Mau?!! Então o chefe é que mandou… – responde o outro de braços abertos e cada vez mais com cara de parvo.

-Mandei, mas era para meter medo, porra! Agarravas no gajo pelas pernas… metias medo, estás a entender?

-Desculpe, Chefe. Não volta a acontecer.

-Com esse não volta a acontecer de certeza. O gajo deve estar mais que morto.

É claro que estava morto. Foi assim que o pai do professor Morais foi empurrado desta vida, 60 anos antes do filho ter aterrado na mesa onde o Sousa Magrinho estava a ler o Jornal das Putas. Quis o destino que pai e filho tombassem de uma janela virada à morte.

…sei que o Pide Casimiro existiu mesmo. Por isso vos recomendo: – Cuidado Casimiro, cuidado Casimiro, cuidado com as imitações!É que estas estórias cruzadas não imitam a nossa vida, são as nossas vidas, escritas e descritas com fluência e um humor acre-doce, reveladores de um autor que explode de imaginação. A criatividade do Guilherme Leite, sai-lhe pelos poros, pena que não das células adiposas. Aqui estou a desejar que um dia destes, alguém o convide para emagrecer as suas ideias em favor de tantos espectadores que se deliciaram com as personagens por ele criadas na Praça da Alegria e no Portugal no Coração da RTP.

(do Prefácio de Júlio Isidro)

Júlio Isidro elogia apresentadora da TVI

Júlio Isidro tece elogios

Este domingo, já ao final do dia, o apresentador da RTP elogiou a apresentadora da TVI.

A mensagem foi dirigida a Maria Cerqueira Gomes que na noite de ontem, apresentava a última gala de A Tua Cara Não Me É Estranha.

Isabel Wolmar (1933-2019): Reacção de Marcelo Rebelo de Sousa

Morreu a voz da RTP

Isabel Wolmar morreu este domingo e não param de chegar mensagens de homenagem à apresentadora da RTP que todos, ou quase todos, conheciam só pela sua voz.

“Envio as minhas condolências à família e amigos de Isabel Wolmar, pioneira na rádio e na televisão portuguesa, e para sempre presente na memória de todos os portugueses.

Uma mulher extraordinária, talentosa e aventureira, foi locutora, apresentadora, repórter, produtora, atriz de teatro e cinema, recitou e escreveu poesia, fez dobragens de vozes para desenhos animados, mas tinha também talento para a dança, para o canto, para a gastronomia, até para os ralis de automóveis, tendo sido mesmo uma das primeiras mulheres a alcançar o pódio numa modalidade onde era pouco habitual a presença feminina”

O presidente da República recordou que a antiga apresentadora da RTP “recebeu o prémio Bordalo da Casa da Imprensa para melhor locutora e apresentadora”, e que “também foi reconhecida pelos seus artigos e entrevistas no Jornal de Notícias”.

Marcelo Rebelo de Sousa termina dizendo que “nos últimos anos – Isabel Wolmar – dedicou-se à poesia e, sobretudo, aos contos infantis, mantendo sempre o contacto com público de todas as gerações. É, aliás, esta presença constante, a par de uma inquebrantável alegria de viver, que fazem de Isabel Wolmar uma mulher admirável e um extraordinário exemplo de multifacetado profissionalismo”

ÚLTIMA HORA: Júlio Isidro reage à morte de Isabel Wolmar

Morreu Isabel Wolmar

Júlio Isidro acaba de reagir à morte da antiga apresentadora da RTP.

É no seguinte texto, que Isidro

” O QUE A VIDA MUDA.
E também o fim da vida.
A minha querida Isabel Wolmar deixou-nos há duas horas e “obrigou-me” a mudar o Inesquecível de hoje.
Isso não se faz querida Isabel, a mim que estou à espera que me mandes as histórias infantis que escreveste para eu meter a voz no CD que vai acompanhar o livro.
A Isabel que eu acreditava eterna, depois de tantos acidentes e doenças gravíssimas, sobrevivendo sempre com um sorriso.
Terá sido esse o motivo porque a sua biografia se chama “A vida com um sorriso”.

Uma vida como a da Isabel, onde a única paragem só poderia ser o esfriar das mãos que lhe aconteceu na companhia desse filho que nunca teve, o Henrique Feist.
Foi durante muitos anos a “bombeira de serviço da RTP”, porque fazia de tudo, até limpar o estúdio , eu que pensava que tinha sido original quand
o um dia disse que até seria capaz de o varrer porque vedetas, só as de trazer por casa.
A Isabel Wolmar foi a segunda locutora da RTP a seguir a Maria Helena Fialho Gouveia, companheira da Maria Fernanda e da Maria Manuela Fonseca mãe do Nuno Feist e do Henrique.
Da fundação desta maravilhosa aventura que foi e tem sido a RTP, resistem três Marias, bastiões de uma memória que tanta leviandade tenta esquecer.
Hoje, há duas horas, o quarteto das meninas que nos davam boa tarde e se despediam com boa noite e bons sonhos, perdeu um sorriso.
A Isabel Wolmar foi apresentadora do primeiro talk show na televisão portuguesa, “A minha vida dava um filme”.
O fim chegou , apesar de tudo um Happy End para quem viveu tanto e fez tanto na música, no teatro, cinema, publicidade, rádio e televisão.
Fico à espera dos textos para ler as últimas histórias que escreveste para crianças. Até já.
INESQUECÍVEL COM ISABEL WOLMAR, FEVEREIRO DE 2017.
HOJE ÁS 18 HORAS NA RTP MEMÓRIA. “
. escreveu

A ÚLTIMA ENTREVISTA:

Esta foi aúltima entrevista que deu na televisão. Foi no programa “Agora Nós” da RTP1, na rubrica “Agora Memórias” que Serenella Andrade conduzia nas tardes da estação pública, uma vez por semana:

http://media.rtp.pt/agoranos/artigos/isabel-wolmar-recorda-percurso-na-rtp

Rita Marrafa de Carvalho envia mensagem a Júlio Isidro, Goucha e Herman

Rita Marrafa de Carvalho

A jornalista da RTP decidiu enviar uma mensagem para Júlio Isidro, Manuel Luís Goucha e Herman José.

O tema da mensagem? A morte!

Aqui fica o texto:

Júlio Isidro critica SIC

«Até faz ranger os dentes» – diz Júlio Isidro

O apresentador da RTP não se calou perante um erro que a SIC cometeu e fez questão de o tornar público.

Em causa está um erro ortográfico no rodapé de uma notícia.

A palavra «Helicóptero», está escrita no rodapé da SIC com um erro ortográfico «Helicópetero».

Júlio Isidro contente com as audiências!

Audiências TV

Júlio Isidro contente com as audiências do seu programa na RTP Memória

Nas redes sociais, o rosto do canal público não escondeu a sua felicidade:

“INESQUECÍVELMENTE.
Só para vos dizer duas coisas.
Primeira – O Inesquecível tem subido de audiências todas as semanas e vai tendo cada vez público mais jovem.


Conclusão: – Continua a crescer depois de oito anos no ar, não dá sinais de desgaste e desperta a curiosidade de gente abaixo dos 40 que começa a ver uma televisão que não está obsoleta, conhece artistas com obras notáveis e programas de grande criatividade antes do tempo da importação de “formatos”. ” – escreveu Júlio Isidro

Júlio Isidro escreve texto sobre Dina (1956-2019)

Júlio Isidro homenageia Dina

É através de um longo texto que o apresentador da RTP se despede da cantora Dina que morreu na noite de quinta-feira.

Leia agora o texto na íntegra::

QUANDO NA HORA DA PARTIDA ,CHEGAM AS MEMÓRIAS.
Os tributos, os elogios, os lenços a acenar, as palmas tardias e as lágrimas até.
E porque não tudo isso quando se está cá ?

A Dina saiu de cena muito antes do dia em que morreu porque o esquecimento é uma forma de morte.

Brava, corajosa,foi dizendo que não ao mal que lhe tirava o ar até à rendição final. E a sua música está agora no ar para ficar ou o silêncio é já depois de amanhã?

Haverá sempre entre mim e a Dina, uma ligação feita de música e sorrisos.Grandes músicas e sorrisos abertos no palco do cinema Nimas onde acontecia essa aventura radiofónica que se chamou Febre de Sábado de Manhã.

Casa a abarrotar de pessoal da pesada, a ser apresentado a uma tal Dina pequenina no corpo e enorme na energia, que arrebatou com o seu “Pássaro louco”.

Mas antes deste começo tinha havido outro. A Dina a cantar letras do Júlio Isidro com músicas do João Henrique para o meu programa infanto-juvenil Arte & Manhas.
E antes , ainda antes, a cantar no Fungagá da Bicharada na sua terceira edição.
Por isso há e haverá sempre, “Música entre nós”.
Vale a pena viajar no tempo de outras músicas e outras rádios para recordar o coro de dependentes da Febre com a Dina gigantesca, de viola na mão a reger: – Não chores não, acorda a voz, cantaremos até o dia nascer!

Era uma inspirada compositora, na pop rock ou em baladas que ainda hoje embalam.
Fica “Guardado em mim” o festival de 80 que para ela foi só oito, tal o lugar em que se quedou a canção. Mas depois, e como acontece tantas vezes com as perdedoras nos votos, veio o sucesso em disco e por tantos palcos.

A Dina passava da doçura do “Gosto do teu gosto” para a explosão do seu “Dinamite” num acorde da guitarra, levando consigo um público que lhe tinha carinho.
Foram anos a escrever cantigas e a mostrá-las em disco ou concertos, construindo um património que vale a pena ouvir em estreia, ou rebobinar e recordar, para se lhe atribuir o valor que se foi perdendo na voragem do preconceito e dos chamados novos tempos.

A Dina no Festival da Canção de 1992 ofereceu-nos um “Amor de água fresca”, letra com cheiro e sabor de amor saudável, numa parceria com Rosa Lobato Faria.
Para além do prémio e da fama que arde e queima sem se ver, a canção recebeu a compensação mais ambicionada por quem está nestas artes.

A Dina no Festival da Canção de 1992 ofereceu-nos um “Amor de água fresca”, letra com cheiro e sabor de amor saudável, numa parceria com Rosa Lobato Faria.
Para além do prémio e da fama que arde e queima sem se ver, a canção recebeu a compensação mais ambicionada por quem está nestas artes.

Tantos anos depois, há jovens a cantar o : – Vem cá tenho sede, quero o teu amor de água fresca. Peguei, trinquei e meti-te na cesta”- gente que nem sabe quem foi a Dina mas que lhe conhece os acordes.

Dar lugar aos novos, para quem como ela se renovava em cada canção, foi mais uma vez o pretexto moralista e consumista para o seu apagamento da cena num gesto tão comum entre nós. Com estes e tantos outros actos de auto-mutilação, se vão desfazendo traços da nossa cultura popular.

A doença lenta mas inexorável, foi-lhe tirando o ar, mas não a vontade de continuar a escrever canções.

Anos depois, há jovens a cantar o : – Vem cá tenho sede, quero o teu amor de água fresca. Peguei, trinquei e meti-te na cesta”- gente que nem sabe quem foi a Dina mas que lhe conhece os acordes.
Dar lugar aos novos, para quem como ela se renovava em cada canção, foi mais uma vez o pretexto moralista e consumista para o seu apagamento da cena num gesto tão comum entre nós. Com estes e tantos outros actos de auto-mutilação, se vão desfazendo traços da nossa cultura popular.

A doença lenta mas inexorável, foi-lhe tirando o ar, mas não a vontade de continuar a escrever canções.

Estão guardadas na sua casa , agora vazia, mas espera-se que um dia surjam num álbum do tributo que ela merece.

A Dina despediu-se em termos de televisão num encontro que valeu por uma vida, no Inesquecível da RTP Memória. Foi em 2016, dias antes de dois espectáculos para cair o pano, onde participaram jovens músicos que a descobriram e à sua música.. Ainda cantou discretamente assim como quem diz adeus baixinho

A notícia da sua partida também me tirou o ar do peito.
Mais um sensação de vazio, mais um página de vida a menos.

Agora recordo-a a sorrir e em dueto com Carlos Paião em 1988, na canção “Quando as nuvens chorarem”.

Nesta canção, o Carlos preconizava o dia, sempre igual e inevitável para todos, do reencontro :- Não chores, se o tempo não ri. Ficarei a teu lado, esperando por ti.”