Maria José Valério quebra o silêncio: "O Mundo agora não me diz nada"

Fadista está ainda a recuperar da queda que sofreu

Maria José Valério está, neste momento, a viver na Casa do Artista, tal como a VOX POP TV avançou em primeira-mão, para recuperar da queda que sofreu em casa.

Em declarações à revista TV7 Dias, a fadista conta que está a recuperar com a ajuda da Casa do Artista antyes de regressar à sua casa: “É uma casa que tem todas as condições para que uma pessoa possa voltar em pleno para a sua casa. Tenho muitos amigos na Santa Casa, mas também tenho o meu cantinho, que é a minha casa. Temos as nossas manias e a nossa casa é sempre a nossa casa. Tenho feito tudo o que é possível fazer para uma recuperação boa, já consigo andar e já me sinto mais forte”, conta

Este Natal e a Passagem-de-Ano não foi de grandes festejos para Maria José Valério: “Na passagem do Ano, às 23 horas já estava deitada a ver programas na televisão. O Mundo agora não me diz nada. Eu pensava que as coisas iam melhorar de uns anos para os outros, mas conforme vamos envelhecendo vamos ficando com a ideia de que as pessoas não são aquilo que desejaríamos que fossem”, disse em jeito de desabafo

Último concerto de Carlos do Carmo registou fraca audiência na RTP

Carlos do Carmo – Obrigado!

A RTP emitiu na passada quinta-feira o último concerto do fadista Carlos do Carmo, com início às 22h50 mas não prendeu os telespectadores.

O concerto registou uma baixa audiência e entregou à RTP1 2,0% de rating e 6,4% de share, muito longe da SIC e da TVI.

NOTA: os dados aqui apresentados são da responsabilidade da CAEM/Gfk. (Dados Live+Vosdal)

RTP2 esteve mais de 6 horas com com ZERO espectadores

RTP2 às moscas!

Quem o diz é a Gfk, empresa que mede as audiências da televisão em Portugal.

O canal 2 da RTP este 6 horas e 27 minutos a zeros, com 0% de rating e 0% de share.

Contudo, não se pode concluir que a RTP2 tenha registado zero telespectadores.

Mas, uma coisa é certa, durante mais de seis horas, nenhum dos aparelhos da Gfk registou portugueses a sintonizarem o canal .

NOTA: os dados aqui apresentados são da responsabilidade da CAEM/Gfk. (Dados Live+Vosdal)

Os 5 Jornalistas mais temidos pelos políticos portugueses!

Os 5 Jornalistas mais temidos!

Os políticos portugueses fogem deles a sete pés. E, se acederam uma vez a serem entrevistados por eles, à segunda já não aceitaram o convite.

A equipa da VOX POP TV reuniu-se e elegeu o top 5 dos jornalistas portugueses que os políticos portugueses mais temem em encontrarem como entrevistadores.

1 – Manuela Moura Guedes

Afastada da televisão por duas vezes, primeiro na TVI e depois na SIC, segundo a própria, por razões políticas, a jornalista Manuela Moura Guedes começou a ter dificuldades em ter convidados para serem entrevistados no “Jornal Nacional de Sexta” por não deixar nada por perguntar e por expremer quem se sentava na cadeira para responder às suas perguntas.

2 – José Rodrigues dos Santos

Por duas vezes foi Director de Informação, por duas vezes teve de se demitir por vários tipos de pressões e tentativas de corrupção, segundo já fez questão de relatar em várias entrevistas. Na segunda vez que se demitiu do cargo de director foi alvo de um processo disciplinar levantado pelo então Presidente da RTP, Almerindo Marques, com o objectivo de ser demitido. Entretanto, Almerindo Marques é afastado da presidência da RTP e o processo disciplinar ao pivot do Telejornal é arquivado.

Conduziu o espaço de comentário protagonizado José Sócrates nas noites de domingo e não deixou de perguntar aquilo que os portugueses queriam ver respondido. Resultado: irritou José Sócrates que saia do estúdio da RTP bastante irritado com José Rodrigues dos Santos.

3 – Ana Leal

Começou a dar visibilidade ao jornalismo de investigação em Portugal e depressa ganhou inimigos. Do seu Currículo na área de investigação, destacam-se várias reportagens, como o caso da Associação “Raríssimas” que abanou o governo e o ex-ministro Vieira da Silva que, apesar do escândalo, não se demitiu, nem foi demitido, continuando no cargo até à constituição do novo governo formado em setembro deste ano.

4 – Sandra Felgueiras

É o rosto do jornalismo de investigação da RTP e, recentemente teve um ´bate-boca’ com o secretário de estado João Galamba nas redes sociais, que mais tarde recebeu em estúdio para se explicar devido às porpoções da notícia dos “Sexta às 9” sobre o lítio alcançou no país.

Recentemente acusou a direcção de informação da RTP, liderada pela jornalista Maria Flor Pedroso, de ingerências no regresso do formato e de interferir nas investigações do programa que apresenta semanalmente no Canal 1 da estação pública.

5 – Alexandra Borges

Também na área do jornalismo de investigação, a jornalista Alexandra Borges não foge à regra, e também ela é temida pelos políticos devido às várias reportagens que já fez e denunciou casos nos serviços da função pública e não só. Já foi ameaçada depois da exibição de várias reportagens assinadas por si.

CR da RTP: ""Não ficou demonstrada intenção por parte da directora de informação de prejudicar a investigação"

Polémica RTP

O Conselho de Redacção (CR) da RTP, numa deliberação que data do dia 29 de dezembro, diz que “não ficou demonstrada nenhuma intenção propositada” da directora de informação cessante Maria Flor Pedroso “no sentido de prejudicar a investigação jornalística” do “Sexta às 9” sobre o ISCEM.”

“Perante as dúvidas levantadas por diversos sectores, tendo em conta a importância decisiva do bom nome da redacção, torna-se imperativo que quaisquer alegações sobre esta matéria sejam comprovadas pelos seus autores, de forma irrefutável”, lê-se na deliberação.

O Conselho de Redacção da RTP acrescenta que “deveria ter existido maior bom senso por parte” de Maria Flor Pedroso “quando questionou o ISCEM – através da ligação de docência que mantinha com a instituição – com recurso a informação privilegiada, referente a uma investigação. Nesse sentido, acreditando que o intuito da directora de informação era auxiliar a reportagem, entende-se que todas as iniciativas realizadas pela directora de informação deveriam ter sido imediatamente comunicadas à equipa do programa ‘Sexta às 9’ em curso.

O órgão salienta que, “no futuro, torna-se imprescindível que qualquer diligência efetuada por elementos da Direção de Informação, com o intuito de auxiliar investigações”, tal “seja comunicada de forma imediata e completa aos jornalistas responsáveis pelos trabalhos em causa”.

Por isso, “afigura-se manifestamente desejável a existência de extrema prudência na abordagem de matérias sob sigilo profissional dos jornalistas, em particular nas situações em que possa a vir ser alegado um eventual conflito de interesses”, aponta, salientando ainda que no que respeita aos procedimentos adoptados pela directora-adjunta responsável pela informação não-diária, “apesar de não ter sido possível um esclarecimento presencial, não ficou evidente nenhum propósito intencional de prejudicar” a investigação.

Assim, “a metodologia adoptada pela directora adjunta responsável […] o acompanhamento da investigação jornalística em causa poder-se-á enquadrar nos procedimentos internos de funcionamento” da direcção, “sem que lhe deva ser imputada qualquer acção ilegítima“.

VOX POP TV / TSF

Rita Marrafa de Carvalho fala da saída de Maria Flor Pedroso da RTP | COM AUDIO

Rita Marrafa de Carvalho

A jornalista da RTP falou, sem rodeios, da polémica que envolveu a Direcção de Informação da estação pública liderada por Maria Flor Pedroso que se demitiu na passada segunda-feira.

Foi no podcast “Dia de Reflexão”, que Rita Marrafa de Carvalho deu a sua opinião acerca de toda a polémica e explica que um director, ou um membro de uma direcção de informação, tem toda a legitimidade para olhar para uma reportagem e dizer ‘não está em condições, não está trancada, precisa de mais argumentos, é frágil, não pode ir para o ar’. E isto não é ingerência, é a função de um diretor de informação, é para isso que ele é pago, para ter uma política editorial e, de acordo com essa política editorial, selecionar o trabalho que tem ou não qualidade para ir para o ar. É muito fácil dizer ingerência quando achamos que o nosso trabalho é intocável” , disse

Oiça o Podcast

Carlos Daniel regressa à Direcção de informação da RTP

Carlos Daniel na Direcção de informação

O jornalista que já saiu duas vezes da RTP foi chamado a ocupar um lugar na direcção de informação da estação pública.

Carlos Daniel saiu da RTP para a SIC regressando mais tarde à estação pública. Recentemente voltou a sair da RTP para o Canal 11 e poucos meses depois voltava para o canal público, algo inédito na história da TV pública.

O jornalista vai ser um dos 3 directores-adjuntos de José Fragoso que será, para além da programação, director de informação, passando a ser Director – Geral da RTP.

Se a ERC aprovar a nova direcção de informação da RTP, proposta por Gonçalo Reis, estes serão os nomes que a irão compor:

José Fragoso – Director Geral

Adília Godinho, António José Teixeira e Carlos Daniel – Directores-Adjuntos

Joana Garcia, Hugo Gilberto e Rui Romano – Sub-directores

"Natal dos Hospitais" está a chegar à RTP

Natal dos Hospitais 2019

É já esta semana que a tradição volta a ser cumprida pela a RTP.

Há 61 anos que o “Natal dos Hospitais” leva alegria, esperança, amor, ajuda e sorrisos aos portugueses, nesta época natalícia.

Esta quinta-feira, dia 12 de dezembro, em directo, a RTP vai emitir durante a manhã e a tarde a edição deste ano, que terá, em Lisboa, Catarina Furtado e José Carlos Malato na apresentação e no Porto, Sónia Araújo e Jorge Gabriel.

RTP2 dispara nas audiências e chega aos 6% de share

RTP2 com choruda audiência

Este domingo não foi só a TVI a ter alegrias. A TV2 do estado também teve motivos para sorrir e celebrar.

Devido à transmissão da Final do Campeonato do Mundo de Futebol de Praia, em directo, numa partida que colocou as selecções de Portugal e da Itália frente-a-frente, num braço-de-berro para ver quem iria levantar a taça de campeão mundial, a RTP2 registou uma audiência rara: 3,2% de rating e 6% de share.

NOTA: os dados aqui apresentados são da responsabilidade da CAEM/Gfk. (Dados Live+Vosdal)

"Telejornal" dispara no sábado!

Telejornal – 60 Anos

O noticiário das oito da noite da RTP1 voltou a marcar um novo máximo de audiência num sábado.

Com José Rodrigues dos Santos na apresentação, o “Telejornal” foi o quinto programa mais visto do dia em Portugal e o segundo noticiário mais visto entre as 20h00 – 21h00, marcando 8,4% de rating e 18,0% de share.

A SIC foi líder com o “Jornal da Noite” com 9,9% de rating e 21,3% de share.

A TVI ocupou o último lugar do pódio com o seu “Jornal das 8” que registou 7,4% de rating e 16,0% de share.

NOTA: os dados aqui apresentados são da responsabilidade da CAEM/Gfk. (Dados Live+Vosdal)

Ontem, Dina Aguiar tirou a liderança à SIC

Portugal em Direto líder

A semana de Dina Aguiar começou em grande, depois de na segunda-feira ter registado um aumento de audiência, ameaçando a liderança da SIC no horário entre as 18h15 e as 19h00.

Ao segundo dia da semana, ontem, terça-feira, em confronto directo, a RTP1 roubou a liderança à SIC com o programa “Portugal em Direto”.

O programa apresentado por Dina Aguiar subiu à liderança. ao primeiro lugar do pódio com 6% de rating e 18,4% de share.

A repetição da telenovela “Amor à Vida” fez a SIC perder a liderança e desceu até ao segundo lugar do pódio, registando 5,5% de rating e 16,8% de share.

A TVI manteve o terceiro lugar do pódio com o programa “A Tarde é Sua” com 4,8% de rating e 14,7% de share.

NOTA: os dados aqui apresentados são da responsabilidade da CAEM/Gfk. (Dados Live+Vosdal)

Telejornal da RTP: Orquestra do Teatro Nacional de São Carlos recria música de abertura|COM VÍDEO

Telejornal 60 Anos

“No ar desde 18 de outubro de 1959, o Telejornal é o primeiro programa de informação diário a ser emitido na estação pública, sendo o mais antigo programa da televisão portuguesa que perdura.

Em 2016, César Veríssimo da RTP compôs o tema musical do genérico do Telejornal. Agora que o Telejornal comemora 60 anos, a RTP e o Teatro Nacional de São Carlos juntam-se para dar uma nova vida a este tema. Sob a direção da Maestrina Joana Carneiro, a Orquestra do Teatro Nacional de São Carlos interpretou aquela que é a nova trilha sonora do genérico do Telejornal, com um arranjo orquestral de Anne Victorino D’Almeida.

Maestrina: Joana Carneiro

Arranjo para a Orquestra: Anne Victorino D’Almeida

Diretora do Coro e Orquestra: Margarida Clode”

informa a RTP no seu canal de YouTube

Veja o vídeo:

Vídeo 2 – Emissão Especial de duas horas: