Marco Paulo: "O meu adeus está para breve"

O rei faz anos hoje! Parabéns, Marco Paulo!

Foi em outubro, do ano passado, , no concerto que Marco Paulo deu no Coliseu dos Recreios, em Lisboa que o cantor disse que não demorava muito a sair de cena: “O meu adeus está para breve.”

E mais tarde esclareceu à imprensa a razão de ter dito o que disse: “Não há aqui nada de misterioso. Eu é que, infelizmente, não posso cantar para sempre. Já ultrapassei os cinquenta anos de carreira. Não é possível cantar mais cinquenta. Foi isso que eu quis dizer

Último concerto de Carlos do Carmo registou fraca audiência na RTP

Carlos do Carmo – Obrigado!

A RTP emitiu na passada quinta-feira o último concerto do fadista Carlos do Carmo, com início às 22h50 mas não prendeu os telespectadores.

O concerto registou uma baixa audiência e entregou à RTP1 2,0% de rating e 6,4% de share, muito longe da SIC e da TVI.

NOTA: os dados aqui apresentados são da responsabilidade da CAEM/Gfk. (Dados Live+Vosdal)

Leandro: “Tentaram destruir a minha carreira”

O desabafo de Leandro

Foi esta manhã que o cantor romântico português decidiu desabafar sobre a sua carreira.

Num texto colocado no Instagram, o cantor afirma que lhe tentaram destruir a carreira:

leandro.pt

Bom dia família ❤
Ao longo desta caminhada tive muitas alegrias , fui 1 lugar de muitas plataformas da música e até acabei por ficar fechado nesse mundo que só os entendidos achavam que era o meu lugar..
Hoje ao fim de 11 anos de carreira e de terem tentado destruir a minha carreira com a mentiras eu acordei pra a vida e percebi muita coisa!!!
Mudei o meu registo de sonoridade, mas não mudei o meu estilo músical ate porque sou feliz com a minha música!!
Mas tudo isto para dizer que vou seguir o meu caminho sem ninguém a mandar no que faço,e prometo a cada um de vocês que vou dar ainda mais de mim e poder fazer aquilo que sempre achei que deveria ser feito ao meu público e na minha carreira e que nunca era boa ideia.. OBRIGADO a todos que estão comigo ao longo de 11 anos e nunca deixaram de acreditar em mim !!!
Vamos agora para a estrada não vai ser fácil mas vou vencer !!! Obrigado ❤❤❤❤ “
– escreveu Leandro

Emocionante: Cher chora ao ser homenageada com uma música sua | COM VÍDEO

Emocionante!

A cantora Cher recebeu uma grande homenagem na edição 41 do Annual Kennedy Center Honors

Um dos momentos mais arrepiantes foi a do cantor Adam Lambert quando entrou em palco para cantar um dos grandes sucessos de Cher, “Believe”, numa versão mais calma, como pode ver no seguinte vídeo:

VÍDEO:

No passado dia 26 de setembro de 2019, passada quinta-feira, a cantora voltou a surpreender num concerto em Berlim, no Mercedes Benz Arena, ao surgir com o cabelo azul e vestida de guerreira e ainda demonstrou os seus dotes na dança :

Mandatory Credit: Photo by HAYOUNG JEON/EPA-EFE/Shutterstock (10425407m) Cher (C) performs during a concert at the Mercedes Benz Arena in Berlin, Germany, 26 September 2019. The concert is part of her world tour ‘Here We Go Again’. Cher in concert, Berlin, Germany – 26 Sep 2019

Cyndi Lauper canta «If I could turn back time» de Cher, com Cher na plateia:

Adam Lambert & Cyndi Lauper cantam «I Got You Babe» com Cher na plateia :

O desabafo de Roberto Leal: «O país que mais dificuldades me criou na vida foi Portugal»

Roberto Leal

O cantor, numa das suas últimas entrevistas, disse que levou 30 anos a conquistar Portugal. Roberto Leal falou da RTP e do programa “Agora Nós” que José Pedro Vasconcelos e Tânia Ribas de Oliveira apresentaram no Canal 1, durante quase 5 anos.

«O país que mais dificuldades me criou na vida foi Portugal. Levei 30 anos para conquistar Portugal» começou por dizer numa entrevista dada à TV Bandeirantes e conta como se reconciliou com o seu país de nascimento: «E de repente estou num programa de televisão em Portugal – Agora Nós da RTP – e aparece o Presidente da República dizendo coisas que eu nunca penei ouvir de um Presidente»

“Tive tudo aquilo com que sonhei. O carro, a casa, o ouro, tudo o que podia comprar. E eu achei que a gente podia também comprar a felicidade.”

Depois seguiram-se dois momentos de quase morte:

“Na casa da praia, num jantar, às da manhã, todo o mundo bêbado atirou-se à piscina e quase toda a gente ia morrendo. Tive um acidente com um carro potente, bati contra um camião. O meu carro ficou todo destruído. Até hoje não sei como eu sobre. Achei que Deus tinha algum propósito para mim. Ali não era para sobreviver” – contou

Depois destas duas situações, Roberto Leal mudou a sua maneira de pensar:

«Distanciei-me tanto da vida material, de todas as coisas que foram muito importantes, como os carros, o ouro, a beleza estética. Aquele momento fez-me conhecer o outro lado. E quando conheci o outro lado, eu disse: ´Meu Deus, eu não seria o Roberto Leal de verdade se eu não fizesse esse caminho´. Porque não tinha quem me ajudasse, era um caminho meu, único»

Júlio Isidro escreve texto sobre Dina (1956-2019)

Júlio Isidro homenageia Dina

É através de um longo texto que o apresentador da RTP se despede da cantora Dina que morreu na noite de quinta-feira.

Leia agora o texto na íntegra::

QUANDO NA HORA DA PARTIDA ,CHEGAM AS MEMÓRIAS.
Os tributos, os elogios, os lenços a acenar, as palmas tardias e as lágrimas até.
E porque não tudo isso quando se está cá ?

A Dina saiu de cena muito antes do dia em que morreu porque o esquecimento é uma forma de morte.

Brava, corajosa,foi dizendo que não ao mal que lhe tirava o ar até à rendição final. E a sua música está agora no ar para ficar ou o silêncio é já depois de amanhã?

Haverá sempre entre mim e a Dina, uma ligação feita de música e sorrisos.Grandes músicas e sorrisos abertos no palco do cinema Nimas onde acontecia essa aventura radiofónica que se chamou Febre de Sábado de Manhã.

Casa a abarrotar de pessoal da pesada, a ser apresentado a uma tal Dina pequenina no corpo e enorme na energia, que arrebatou com o seu “Pássaro louco”.

Mas antes deste começo tinha havido outro. A Dina a cantar letras do Júlio Isidro com músicas do João Henrique para o meu programa infanto-juvenil Arte & Manhas.
E antes , ainda antes, a cantar no Fungagá da Bicharada na sua terceira edição.
Por isso há e haverá sempre, “Música entre nós”.
Vale a pena viajar no tempo de outras músicas e outras rádios para recordar o coro de dependentes da Febre com a Dina gigantesca, de viola na mão a reger: – Não chores não, acorda a voz, cantaremos até o dia nascer!

Era uma inspirada compositora, na pop rock ou em baladas que ainda hoje embalam.
Fica “Guardado em mim” o festival de 80 que para ela foi só oito, tal o lugar em que se quedou a canção. Mas depois, e como acontece tantas vezes com as perdedoras nos votos, veio o sucesso em disco e por tantos palcos.

A Dina passava da doçura do “Gosto do teu gosto” para a explosão do seu “Dinamite” num acorde da guitarra, levando consigo um público que lhe tinha carinho.
Foram anos a escrever cantigas e a mostrá-las em disco ou concertos, construindo um património que vale a pena ouvir em estreia, ou rebobinar e recordar, para se lhe atribuir o valor que se foi perdendo na voragem do preconceito e dos chamados novos tempos.

A Dina no Festival da Canção de 1992 ofereceu-nos um “Amor de água fresca”, letra com cheiro e sabor de amor saudável, numa parceria com Rosa Lobato Faria.
Para além do prémio e da fama que arde e queima sem se ver, a canção recebeu a compensação mais ambicionada por quem está nestas artes.

A Dina no Festival da Canção de 1992 ofereceu-nos um “Amor de água fresca”, letra com cheiro e sabor de amor saudável, numa parceria com Rosa Lobato Faria.
Para além do prémio e da fama que arde e queima sem se ver, a canção recebeu a compensação mais ambicionada por quem está nestas artes.

Tantos anos depois, há jovens a cantar o : – Vem cá tenho sede, quero o teu amor de água fresca. Peguei, trinquei e meti-te na cesta”- gente que nem sabe quem foi a Dina mas que lhe conhece os acordes.

Dar lugar aos novos, para quem como ela se renovava em cada canção, foi mais uma vez o pretexto moralista e consumista para o seu apagamento da cena num gesto tão comum entre nós. Com estes e tantos outros actos de auto-mutilação, se vão desfazendo traços da nossa cultura popular.

A doença lenta mas inexorável, foi-lhe tirando o ar, mas não a vontade de continuar a escrever canções.

Anos depois, há jovens a cantar o : – Vem cá tenho sede, quero o teu amor de água fresca. Peguei, trinquei e meti-te na cesta”- gente que nem sabe quem foi a Dina mas que lhe conhece os acordes.
Dar lugar aos novos, para quem como ela se renovava em cada canção, foi mais uma vez o pretexto moralista e consumista para o seu apagamento da cena num gesto tão comum entre nós. Com estes e tantos outros actos de auto-mutilação, se vão desfazendo traços da nossa cultura popular.

A doença lenta mas inexorável, foi-lhe tirando o ar, mas não a vontade de continuar a escrever canções.

Estão guardadas na sua casa , agora vazia, mas espera-se que um dia surjam num álbum do tributo que ela merece.

A Dina despediu-se em termos de televisão num encontro que valeu por uma vida, no Inesquecível da RTP Memória. Foi em 2016, dias antes de dois espectáculos para cair o pano, onde participaram jovens músicos que a descobriram e à sua música.. Ainda cantou discretamente assim como quem diz adeus baixinho

A notícia da sua partida também me tirou o ar do peito.
Mais um sensação de vazio, mais um página de vida a menos.

Agora recordo-a a sorrir e em dueto com Carlos Paião em 1988, na canção “Quando as nuvens chorarem”.

Nesta canção, o Carlos preconizava o dia, sempre igual e inevitável para todos, do reencontro :- Não chores, se o tempo não ri. Ficarei a teu lado, esperando por ti.”

Maria Leal agora canta músicas para crianças | COM VÍDEO!

Maria Leal está de volta!

A polémica cantora está de volta ao mundo da música e agora é a Xuxa portuguesa!

Oiça a música:

A letra da músida é da autoria de Jaimão: “Aqui está a minha surpresa para os meus príncipes e princesas. Obrigada ao meu produtor Jaimão autor da letra, música e realização do videoclipe “ agradeceu Maria Leal

A música dirigida às crianças foi lançada hoje, quinta-feira.

Maria Vieira arrasa Rita Blanco

Maria Vieira não poupa Rita Blanco

A Parrachita voltou a criticar mais uma actriz portuguesa, desta vez Rita Blanco.

” Trabalhei várias vezes com a Rita Blanco, acho que ela é uma excelente actriz e uma pessoa muito divertida. Fiz um filme francês com ela – “La Cage Dorée” – que foi um dos maiores sucessos do cinema europeu e um dos filmes mais vistos de sempre em Portugal e fico agora a saber que ela se tornou vegetariana, que acha que «a indústria agrícola e a produção alimentar irracional do capitalismo selvagem estão a rebentar com o planeta» e que «gosta de pessoas mas que odeia a humanidade»! Valeu, Rita!

Vamos então convencer a humanidade inteira a comer alface, cenouras e agriões e obrigar os predadores carnívoros das savanas e das selvas a fazerem uma dieta à base de erva, folhas e raízes para evitar que o mundo rebente depois de amanhã ou já na semana que vem…

Pelo que vejo, a Rita continua divertida e insiste em contar umas boas larachas… Aposto que a partir de agora ela jamais voltará a fazer publicidade para promover as grandes superfícies comerciais e muito capitalistas que vendem, entre outras coisas menos vegetarianas, bifes, costoletas e salsichas!

Enfim, pelo andar da carruagem, qualquer dia ainda me convidam a mim para ir a um hotel falar sobre energia nuclear ou assim…”, escreveu Maria Vieira

Dias antes, Maria Vieira tinha criticado a cantora Madonna por esta ter criticado Portugal e a Câmara de Sintra por não a terem deixado filmar com um cavalo num edifício histórico:

“Recentemente ficámos a saber que a Madonna, num raro e bem-vindo acesso de lucidez, resolveu abandonar Portugal, o que para mim e para muitos milhões de portugueses terá sido uma das melhores e mais saudadas notícias deste ano, mas ainda assim, e antes de nos deixar em paz, esta mulher não hesita em nos continuar a torturar com o seu egocentrismo, com a sua ordinarice e com as suas imbecilidades! Então não é que a dita fulana queria enfiar um cavalo no interior de um palacete do Séc. XIX para gravar mais uma porcaria de um vídeo da sua aborrecida lavra? Felizmente que o presidente da câmara de Sintra decidiu intervir (bem) e impedir mais este devaneio da tal de Madonna, que desde que se instalou de armas e bagagens em Portugal só nos tem dado tristezas e preocupações e tudo com o aval e com a cortesia deste «governo familiar», desta quadrilha mafiosa que nos afunda um pouco mais a cada dia que passa e que resolveu acolher esta mentecapta, esta ordinária que abandonou os EUA, a terra que lhe deu tudo aquilo que possui, depois de ter oferecido sexo oral a todos os americanos e americanas que não votassem em Donald Trump, de ter insultado o presidente americano com palavras de baixo calão e de ter afirmado que gostaria de fazer explodir a Casa Branca em Washington!

É claro que sendo Portugal um dos poucos países socialistas que ainda restam no mundo, foi para aqui que ela resolveu imigrar, pois aqui, neste país provinciano, pobrezinho e que fica longe, ela sabia poder estar à vontade para fazer tudo aquilo que lhe desse na real gana.

Mas desta vez lixou-se porque o Basílio Horta não lhe fez a vontade e não deixou que ela fosse trotar a cavalo sobre um soalho de madeira do Séc. XIX porque isso seria de uma insanidade directamente proporcional ao retorcido e pervertido carácter da cantora (se assim se pode chamar) americana!

Entretanto, depois de ter saboreado esta magnífica nega ficamos a saber que a mulher tentou fazer queixinhas ao António Costa para ver se ele lhe valia em mais este requisito, que ela se mostra muito arrependida de ter vindo viver para Portugal, que segundo ela é um país que lhe deve muito e que só por causa da pressão do empresário dela é que ela resolveu meter aqui os pés, neste país de pobrezinhos, de ignorantes e de mal agradecidos!

A Madonna vai abandonar Portugal de vez no próximo mês de Setembro e eu digo – «Aleluia! Vai pela sombra mulher e nunca mais nos voltes a incomodar com a tua nefasta, repelente e aborrecida presença».

Citando o grande José Cid: “Addio, adieu, auf wiedersehen, goodbye”!😄 “, escreveu Parrachita

Cher: há 20 anos a cantora colocava o mundo inteiro a cantar e a dançar o seu tema “Believe”

Foi em 1998, no dia 24 de novembro, que Cher surgia com o seu novo album sob o título “Believe”. E foi este título que deu nome à música que colocou o mundo inteiro rendido à nova música da cantora.

Em 1999, dois dias antes do Natal, a 23 de dezembro, Cher via o seu albúm ser galardoado com quádrupla platina, por vendas de quatro milhões de cópias nos Estados Unidos. Ocupou o primeiro lugar várias semanas em países como Portugal, Brasil, Estados Unidos da América, Alemanha, Bélgica, Austrália, Canadá, Holanda, Finlândia, Suiça, Suécia, Itália, Israel, Noruega, Reino Unido, Rússia, entre tantos outros.

Em todo o mundo, o álbum já vendeu mais de 20 milhões de cópias, tornando-o mais vendido álbum da carreira da cantora. Em 1999, o álbum recebeu três indicações ao Grammy Awards, incluindo “Gravação do Ano”, “Melhor Álbum Pop” e ganhou o prémio de “Gravação Dance” para o single “Believe”.

Em 2007, foi o single mais vendido sob a marca da Warner Bros. Records e a canção dance de maior sucesso da história, vendendo mais de 10 milhões de cópias mundialmente,[ sendo a 20º canção mais baixada de todos os tempos.

Com este sucesso, Cher tornava-se a cantora com mais idade, 53 anos, a chegar ao topo da Hot 100 da Billboard.

Zé Felipe “rouba” tema de Anselmo Ralph e faz sucesso

Zé Felipe é um jovem cantor em ascensão no Brasil que alcançou, recentemente, o número um em todas as rádios brasileiras com o tema “Não me toca” que o cantor angolano Anselmo Ralph imortalizou em Portugal.

168a4c02f3bb86de07645bd9071e2580.jpg

Zé Felipe nasceu a 21 de abril de 1988 e é filho do cantor sertanejo Leonardo ( ex-dupla Leandro & Leonardo)  e da jornalista Poliana Rocha.

Zé Felipe despertou o desejo pela música ainda criança, adorava escutar o seu avô Avelino tocar viola e cresceu ouvindo o seu tio e o seu pai (Leandro & Leonardo).

Em 2009 aprendeu com o seu pai os primeiros acordes no violão, e foi a primeira vez que se apresentou em público, numa festa na casa de amigos. Em dezembro de 2013, Zé Felipe participou do DVD Leonardo – 30 Anos do pai, cantando o pot-pourri “Deixaria Tudo/ Te Amo Demais / Coração Espinhado” .

Em 2014 assinou contrato com a gravadora Sony Music, e em setembro estreou a sua carreira no programa televisivo Domingão do Faustão, da TV Globo.

Em outubro de 2014 lançou seu álbum de estreia intitulado Você e Eu.

fr_0899.jpg

Na Foto: Zé Felipe e o seu pai

maxresdefault4.jpg

Na Foto: Zé Felipe e a cantora Ludmilla que participa no tema “Não Me Toca”.

Vejam agora o vídeoclipe da música “Não Me Toca” que foi colocado ontem, dia 25 de fevereiro de 2016, no YouTube.