Cristina Ferreira não afasta hipótese de ser Presidente de Portugal

Cristina a Presidente da República?

A apresentadora da SIC não descarta a hipótese de vir a ser candidata a Presidente da República.

Numa entrevista ao programa «Virar o Jogo» do Canal 11, a Saloia da Malveira respondeu a Iva Domingues desta forma:

“Sabes que isso sempre esteve muito longe da minha imaginação, [mas não continua tão longe] porque as pessoas obrigaram-me a pensar nisso. Durante muito tempo pensava que podia ser Presidente da Câmara de Mafra, do meu concelho, porque acho que podia, de alguma forma, ajudar. Quando abro a minha loja na Malveira é por um motivo: para que a zona se desenvolva” A partir do momento em que as pessoas me consideram influente de alguma coisa, começam-me a falar nessa ideia de eu ser presidente. Isto já não é de agora, já leva alguns anos. E eu, sem querer, começo a pensar: mas porque é que as pessoas me dizem isso? Que capacidade teria eu de ser Presidente da República? Está muito longe. Nunca seria presidente se não fizesse um caminho – que poderia começar hoje, amanhã ou daqui a dez anos – que me permitisse, quando chegasse ao cargo, ser a melhor presidente deste país. Assim não teria dúvida. Não é uma ideia que eu afaste, por muito presunçoso que isto possa parecer “ – disse

Cristina Ferreira disse ainda que não conseguiria ser Primeira-Ministra:

“Nunca poderia ser porque sei que não tenho capacidades para exercer esse cargo. Acho que o cargo de Presidente é um cargo muito mais conciliador”

O desabafo de Roberto Leal: «O país que mais dificuldades me criou na vida foi Portugal»

Roberto Leal

O cantor, numa das suas últimas entrevistas, disse que levou 30 anos a conquistar Portugal. Roberto Leal falou da RTP e do programa “Agora Nós” que José Pedro Vasconcelos e Tânia Ribas de Oliveira apresentaram no Canal 1, durante quase 5 anos.

«O país que mais dificuldades me criou na vida foi Portugal. Levei 30 anos para conquistar Portugal» começou por dizer numa entrevista dada à TV Bandeirantes e conta como se reconciliou com o seu país de nascimento: «E de repente estou num programa de televisão em Portugal – Agora Nós da RTP – e aparece o Presidente da República dizendo coisas que eu nunca penei ouvir de um Presidente»

“Tive tudo aquilo com que sonhei. O carro, a casa, o ouro, tudo o que podia comprar. E eu achei que a gente podia também comprar a felicidade.”

Depois seguiram-se dois momentos de quase morte:

“Na casa da praia, num jantar, às da manhã, todo o mundo bêbado atirou-se à piscina e quase toda a gente ia morrendo. Tive um acidente com um carro potente, bati contra um camião. O meu carro ficou todo destruído. Até hoje não sei como eu sobre. Achei que Deus tinha algum propósito para mim. Ali não era para sobreviver” – contou

Depois destas duas situações, Roberto Leal mudou a sua maneira de pensar:

«Distanciei-me tanto da vida material, de todas as coisas que foram muito importantes, como os carros, o ouro, a beleza estética. Aquele momento fez-me conhecer o outro lado. E quando conheci o outro lado, eu disse: ´Meu Deus, eu não seria o Roberto Leal de verdade se eu não fizesse esse caminho´. Porque não tinha quem me ajudasse, era um caminho meu, único»

Isabel Wolmar (1933-2019): Reacção de Marcelo Rebelo de Sousa

Morreu a voz da RTP

Isabel Wolmar morreu este domingo e não param de chegar mensagens de homenagem à apresentadora da RTP que todos, ou quase todos, conheciam só pela sua voz.

“Envio as minhas condolências à família e amigos de Isabel Wolmar, pioneira na rádio e na televisão portuguesa, e para sempre presente na memória de todos os portugueses.

Uma mulher extraordinária, talentosa e aventureira, foi locutora, apresentadora, repórter, produtora, atriz de teatro e cinema, recitou e escreveu poesia, fez dobragens de vozes para desenhos animados, mas tinha também talento para a dança, para o canto, para a gastronomia, até para os ralis de automóveis, tendo sido mesmo uma das primeiras mulheres a alcançar o pódio numa modalidade onde era pouco habitual a presença feminina”

O presidente da República recordou que a antiga apresentadora da RTP “recebeu o prémio Bordalo da Casa da Imprensa para melhor locutora e apresentadora”, e que “também foi reconhecida pelos seus artigos e entrevistas no Jornal de Notícias”.

Marcelo Rebelo de Sousa termina dizendo que “nos últimos anos – Isabel Wolmar – dedicou-se à poesia e, sobretudo, aos contos infantis, mantendo sempre o contacto com público de todas as gerações. É, aliás, esta presença constante, a par de uma inquebrantável alegria de viver, que fazem de Isabel Wolmar uma mulher admirável e um extraordinário exemplo de multifacetado profissionalismo”