Gonçalo Reis arrepia caminho e não confirma Carlos Daniel como Director

Gonçalo Reis

O presidente da RTP não confirma Carlos Daniel na Direcção de Informação e também não confirma afastamento de Paulo Dentinho.

Em declarações à agência Lusa, Gonçalo Reis diz que “eventuais ajustes em direcções, de conteúdos e não só, serão sempre tratadas com toda a ponderação, no devido momento, que ainda não chegou, e cumprindo os procedimentos adequados”.

Em relação à polémica que dá como certo o afastamento de Paulo Dentinho, o presidente da RTP diz que “Cada coisa a seu tempo, estamos a finalizar a constituição da administração, estamos a ultimar o Projecto Estratégico que responde aos desafios colocados pelo CGI [Conselho Geral Independente], para a equipa de gestão completa iniciar o mandato 2018-20. Obviamente não comento as hipóteses que circulam, mas registo que não é inédito haver expectativa acerca de funções relevantes (…) eventuais ajustes em direcções, de conteúdos e não só, consideradas relevantes para a concretização de uma nova ambição para a RTP, serão sempre tratadas com toda a ponderação, no devido momento, que ainda não chegou, e cumprindo os procedimentos adequados. O ponto fundamental é que cada área da empresa actue numa lógica de qualidade e diferenciação e que a RTP consiga aproveitar da melhor forma todas as capacidades dos seus profissionais, reunindo com espírito aberto o melhor talento nacional no sector dos media (…) essa é a tradição da RTP e vai continuar: grandes equipas para grandes desafios”

Nuno Graciano: “Vão para a p*** que os pariu”

Nuno Graciano lança farpas

“Há sempre uma zona cinzenta em que parece que as coisas acontecem e ninguém é responsável. Há muita falta de coragem para dizer as coisas na cara das pessoas”, declarou ao So Wanderlust

Nuno Graciano diz que tem a certeza de que vai voltar a fazer televisão:

“Eu vou voltar, isso nem é uma questão. E é só por uma razão: porque sou muito bom naquilo que faço. (…) Já fiz de tudo e fiz bem, com resultados, e tenho muitas pessoas que gostam muito de mim. Por isso, é evidente que vou voltar um dia à televisão, é evidente que vou voltar com muito mais força”

Sobre quem o afastou da CMTV, Nuno Graciano dispara: “Vão para a p*** que os pariu”

“Há pessoas a trabalhar em televisão e que não têm audiência há anos, em programas de ‘day time’. Não sei porque é que lá estão”

Sobre os bastidores da TV, o agora empresário diz saber de  “pessoas que continuam a trabalhar em algumas televisões profundamente tristes e amedrontadas, porque são afastadas, postas de castigo. Há assim umas coisas hitlerianas”

Na mesma entrevista, Nuno Graciano volta a ser frontal:

“ Há pessoas a trabalhar em televisão e que não têm audiência há anos, em programas de ‘day time’. Não sei porque é que lá estão. Só lá podem estar por falta de vergonha. Ainda por cima, têm piores audiências do que algumas vez alguém teve e mantêm-se lá anos e anos e anos, algumas delas até com cargos de direcção… Deviam dar o exemplo e sair. Já retiraram tantos outros por terem resultados melhores, que se têm resultados piores deviam ser as primeiras a sair”, disse, parecendo ser uma indirecta a Júlia Pinheiro.

Judite Sousa: óculos da jornalista da TVI fazem furor

Judite Sousa

A jornalista e directora-adjunta da TVI está a causar burburinho depois de ter postado fotos suas com dois óculos.

Estas são as duas fotos e os dois pares de óculos que os fãs da jornalista estão a comentar.

Há quem goste e teça elogios e, há quem não goste e critique os dois modelos de óculos usados por Judite Sousa.

juditesousavoxpoptv.png

Hugo Andrade recorda Nicolau Breyner

Hugo Andrade

É através de um texto emotivo que Hugo Andrade recorda o actor Nicolau Breyner, dois anos após a sua morte:

“E a correr já passaram dois anos.
Sempre que me lembro do Nicolau lembro-me do meu Pai.
Lá onde estiverem devem estar sempre a rir e na paródia. Estavam sempre assim quando estavam juntos.
Uma amizade extraordinária que ia para além da vida.
Entre encontros e desencontros o Nicolau foi uma pessoa importante na minha vida e muito importante na vida de muitos.
Cada vez entendo melhor o significado da palavra saudade.” – escreveu

Bronca: Paulo Dentinho não quer sair do cargo de Director de Informação da RTP

Bronca na RTP

Paulo Dentinho afirma que não abandona o lugar de Director de Informação que ocupa desde 2015.

Gonçalo Reis, reconduzido para um segundo mandato, decidiu convidar Carlos Daniel para substituir Paulo Dentinho. A notícia depressa surgiu na comunicação social.

Agora, sabe-se que Paulo Dentinho não quer sair do lugar que ocupa e afirma que não se demite.

Fonte próxima da RTP garante à TV Guia que Paulo Dentinho disse em plena redacção de jornalistas que não se demitia:

O Carlos (Daniel) confirmou-lhe que tinha sido convidado… e sente-se traído.”

BRONCA NA RTP: CT quer explicações sobre decisão tomada à revelia

POLÉMICA NA RTP

A CT (Comissão de Trabalhadores) da RTP quer explicações e “um imediato e cabal esclarecimento público” sobre a notícia que tem vindo a público sobre a troca de Director de Informação da RTP.

Em causa está a exoneração de Paulo Dentinho de Director de Informação. Em comunicado, a Comissão de Trabalhadores da RTP frisa que “as notícias sobre a destituição do director de informação da televisão, sem o seu conhecimento, através de uma notícia de jornal, carecem de um imediato e cabal esclarecimento público por parte da supervisão, tutela da RTP e principalmente por parte do senhor presidente da administração”

No Parlamento, o Bloco de Esquerda, através do deputado  Jorge Campos,  questionou o Ministro da Cultura sobre a saída de Paulo Dentinho. A resposta do ministro Luís Filipe Castro Mendes foi esta: “Não se confirma a demissão do director da RTP (…) é falsa e não se confirma”

No mesmo comunicado, a CT diz que “o jornalista Paulo Dentinho é o director da RTP-TV, não se demitiu, não aceitou qualquer cargo de direcção da RTP Internacional ou qualquer outro” frisando que uma destituição do cargo “tem de alegar graves violações de natureza profissional, deontológica ou de natureza estratégica, todos devidamente fundamentados e com direito a contraditório”.

A Comissão de trabalhadores refere ainda que este tipo de exoneração devem ser feitas “em total exercício de funções (da administração) e não por um dos seus membros que, mesmo sendo o seu presidente, não tem legitimidade para o fazer isoladamente em nome do órgão colegial a que preside”.