Exclusivo: João Adelino Faria revoltado com a RTP

Têm sido meses difíceis na estação pública, tanto na área da programação como na área da informação desde que Daniel Deusdado, Nuno Artur Silva e Paulo Dentinho ocuparam os lugares de directores.

O jornalista e pivot do “Telejornal” não esconde a sua revolta perante as diversas injustiças que o actual director de informação da RTP, Paulo Dentinho, tem cometido desde que ocupou a cadeira dos destino da informação.

Fonte próxima da estação pública conta ao nosso site que João Adelino Faria “deixou de andar tão feliz como era o seu costume” tudo por causa do “mau ambiente” que se vive na área de informação. O pivot da RTP não concorda com “as diversas injustiças que alguns dos seus colegas têm sofrido“e que tem sido “posto de parte” por Paulo Dentinho, limitando-o a apresentar o “Telejornal” na RTP1 e o programa na RTP3 “O Outro Lado“.

“Houve uma semana que foi extremamente difícil para o João apresentar o “Telejornal” devido a uns acontecimentos na RTP. O João é daquele tipo de pessoas que não consegue esconder a sua revolta perante os outros e isso, por vezes, trás dissabores para a própria pessoa, neste caso para o João (Adelino faria)” – revelou fonte próxima da RTP à VOX POP TV

A mesma fonte garante ao nosso site que, nos corredores da RTP, “vive-se um ambiente medonho, de cortar à faca. Neste momento, a estação está a ferro-e-fogo como não se via há muito“.

Catarina Avelar regressa à RTP

Catarina Avelar é uma das melhores actrizes portuguesas e já tem novo projecto para 2017.

A veterana actriz vai juntar ao elenco da nova telenovela portuguesa para a hora de almoço na RTP1, com o título “O Sábio”, que já tem no elenco a actriz São José Correia, Gonçalo Wiborg, Paula Lobo Antunes, Carla Vasconcelos, Almeno Gonçalves, Gracinda Nave, Rui Luís Brás, Rita Calçada Bastos e Luísa Ortigoso.

Simone de Oliveira em novo programa da RTP1

A actriz e cantora Simone de Oliveira está de regresso aos programas televisivos.

A partir de fevereiro do próximo ano, 2017, a RTP1 vai estrear um novo talent show para as noites de sábado, apresentado pelo conhecido maestro Rui Massena.

img_999x5562015_04_10_20_56_35_116491

Na Foto: o maestro Rui Massena.

“Á Capela” é nome do novo concurso da estação pública, inspirado num formato espanhol de nome “CapelaA”. O objectivo é encontrar o melhor grupo a canar à capela, ou seja, um grupo que canta sem recorrer aos instrumentos musicais.

No júri estará o apresentador da RTP Júlio Isidro, a cantora e actriz Simone de Oliveira e a professora de música e canto Paula Oliveira que participou nas diversas edições do programa “Operação Triunfo” que a RTP1 emitiu.

hqdefault

Na Foto: a professora Paula Oliveira

Carlos Santos morreu a menos de 1 mês de casar

O ator, de 79 anos, que se iria casar em dezembro, morreu ontem à noite na sequência de um pós-operatório traumático após uma cirurgia à coluna cervical

O ator Carlos Santos, que fazia parte do elenco da série da RTP1 Bem-Vindos a Beirais, morreu ontem, pelas 20.00, no Hospital de Faro.

A notícia foi avançada este início de tarde pela agência que o representava, a HIT Management, através do Facebook. Em comunicado, a Hit Management adianta ainda o motivo da morte: “Pós-operatório traumático na sequência de uma intervenção cirúrgica na coluna cervical”.

O corpo do ator, que segundo a agência “vivia maritalmente com a atriz Amélia Videira e que se iriam casar em dezembro deste ano 2016, estará em câmara ardente na Basílica da Estrela – Capela dos Claustros em Lisboa, a partir das 17.00 de amanhã, terça-feira.

O funeral realizar-se-á na quarta-feira, pelas 16.00 para o cemitério do Alto de São João, onde será cremado.

Estreou-se como profissional em 1963 e desde aí já lá vão 53 anos de teatro, cinema e televisão.

A série Terapia, da RTP, foi dos seus últimos trabalhos em televisão.

O desempenho no filme Operação Outono, sobre os últimos dias do general Humberto Delgado, valeu a Carlos Santos o prémio de melhor ator de cinema da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) e o prémio Sophia para melhor ator, da Academia Portuguesa de Cinema, em 2013.

No cinema, Carlos Santos trabalhou com Luís Filipe Rocha, António de Macedo, Joaquim Leitão, José Fonseca e Costa e Leonel Vieira.

Também fez parte do elenco do derradeiro filme de Fernando Lopes, “Em Câmara Lenta”.

Quando da entrega do prémio de melhor ator, da SPA, a Carlos Santos, este recordou que completava então (2013) 50 anos de carreira profissional, “em teatro, rádio, cinema e televisão”, e 65 anos desde que pisara pela primeira vez um palco, no ‘seu’ Liceu Gil Vicente, em Lisboa, tendo trocado o curso de Medicina, pelo trabalho de ator.

Carlos Santos, na altura, destacou ainda a importância da memória, e do filme de Bruno de Almeida, ao falar de Humberto Delgado, o candidato da oposição à ditadura, em 1958, e do seu assassinato; a importância de haver um filme a falar da PIDE, “daqueles torcionários e daquele julgamento horroroso, feito nos anos 1980, em que todos os pides foram ilibados”.

“E é este o caminho – prosseguiu o ator nas suas declarações -, o caminho em que temos vindo a regredir após o 25 de Abril, aliás, após o 25 de novembro”.

Carlos Santos, que se estreou com José Viana no Teatro de Revista (“uma homenagem que tarda”, disse o ator) somou, nos últimos anos, participações em “Bem-vindos a Beirais“, “Vidas de sal“, “O bairro da fonte“, “Uma família açoriana”, “O teu olhar“, “Quando os lobos uivam“, “A viúva do enforcado“.

O julgamento“, “A capital“, “O amor desceu em paraquedas“, “Tudo isto é fado“, “Olhó passarinho“, “A banqueira do povo“, “A selva” e “Tarde demais” foram outros trabalhos em que Carlos Alberto participou como ator.

Com Lusa | DN

VOX POP TV Informação – 2016

amelia.jpg

NA FOTO: a actriz Amélia Videira

RTP trava namoro da SIC e assina contrato com Malato para 2017

A SIC bem tem tentado várias investidas para “roubar” os rostos da estação pública mas, até agora, quase todas foram em vão.

José Carlos Malato renovou com a RTP por mais um ano e em 2017 será pela a estação pública que continuará a apresentar programas.

“Espero não estar a cometer nenhuma inconfidência, mas, de facto, renovei contrato. Só falta a assinatura formal. Antigamente, tinha contratos de três anos, mas o paradigma mudou e, hoje em dia, na RTP – de modo geral – os apresentadores têm contratos                  só de um ano.” – disse à imprensa o apresentador da RTP